segunda-feira, outubro 17

ser humano

Partilhar

Carência de recursos económicos, carência humanitária, carência social, os conflitos e as guerras. Muitas serão as justificações para o que é pobreza. Homens, mulheres e acima de tudo crianças sobrevivem privados dos seus direitos: água, saneamento adequado, informação, educação, cuidados de saúde ou abrigo. Diariamente morrem milhares de pessoas por não terem com que se alimentar, no meio de uma pobreza extrema, numa realidade que diariamente ignoramos e que muitas vezes está mesmo ao nosso lado. É importante conhecermos e enfrentarmos a realidade, mas mais importante é saber o que fazer para contribuir para a erradicação da pobreza. Nunca é demais lembrar que mil milhões de pessoas em todo o mundo continuam a viver com menos de um dólar por dia, ou seja, abaixo do limiar da pobreza. Não será por acaso que o "Dia Mundial da Alimentação" e o "Dia Internacional da Erradicação da Pobreza" caminhem lado a lado.

A crise económica internacional afecta a todos mas não poderá servir de justificação para cortar a ajuda ao desenvolvimento. Se as consequências podem ser complicadas para os doadores (países desenvolvidos), mais o serão para os países em desenvolvimento. Perdemos tempo, desperdiçamos oportunidades e deparamo-nos com mais desafios, agora é nossa responsabilidade recuperar o tempo perdido. Parece unânime que esta é uma matéria em que todos têm responsabilidades. Os governos, juntamente com a sociedade civil, o sector privado e as organizações internacionais devem unir esforços e mesmo diante da situação actual, acreditar que nada está perdido e mesmo que o derrotismo se apodere de nós, devemos fazer aquilo que nos compete, ser humano.

5 comentários:

Rui da Bica disse...

É triste sentirmo-nos impotentes para , por nós próprios, resolvermos o problema .
Creio que só a criação de uma "Nova ordem mundial" a partir das grandes organizações internacionais e dos países mais desenvolvidos o poderá fazer, mas não através de dádivas esporádicas ("dar o peixe") e sim pela criação de condições que lhes "permitam pescar", criando estruturas e condições de sobrevivência nos países pobres.
O problema é que o mundo anda demasiado distraído e "ocupado".
.

Teté disse...

Não deixa de ser extraordinária a coincidência deste dia calhar com mais uma explicação do ministro das finanças, para aquilo que classifico de um roubo puro e inconstitucional, das medidas governamentais que só vão gerar mais pobreza em Portugal.

Talvez seja aquela ideia peregrina de "reparem lá, há outros que estão muito piores que nós, porque é que se estão a queixar de "barriga cheia"? Mas que é de péssimo gosto e falta de tato, é!

Óbvio que também concordo com o RUI, não é com caridadezinhas esporádicas que o problema da fome e da miséria se resolve! Nem com "dias de..." :P

redonda disse...

O pior é que me parece que com tanta crise, as pessoas começam a andar zangadas e menos disponíveis para ajudar.

Patti disse...

Se isto fosse o face, eu punha já um "Gosto"!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ontem, escrevi um post em que falava sobre a concidência do dia escolhido pelo governo para anunciar publicamente o orçamento que nos condena à pobreza!