quinta-feira, junho 30

blogue... ando

Partilhar

Vários amigos e amigas que publicavam os seus blogues com uma certa regularidade, eu incluído, adiaram para calendas gregas ou esqueceram os seus cantos à deriva pelo espaço sideral blogueiro. Depois de anos a publicar textos, imagens, crónicas maçadoras, ideias e experiências de vida neste mofado gabinete, dá uma certa nostalgia e comichão nos neurónios pensar sequer na possibilidade de encerrar de vez o casebre. Já percebi que os tempos mudaram! Os blogues já não são mais o canal de comunicação da Internet. Insistir neles é ficar preso a algo que já está ultrapassado? Talvez, não sei! Agora o que está a dar são redes da nova geração, o Facebook e o tal do Twitter. Mas não me apetece, não me atraem e não os tenho pelo beicinho. Podem-me chamar de antiquado, de séptico (sim com s) que continuarei a escrever o que penso, para quem quiser ler, neste sítio de má fama. Não só por teimosia mas por necessidade pessoal, não tenho actualizado e visitado os meus blogóticos companheiros de route com a mesma frequência por mera falta de disponibilidade e não ter um computador a tempo inteiro. Acompanho e gosto dos blogues que resistem à mudança. Acho que no blogue sempre se pode elaborar um pouco mais as ideias. O Twitter é com um chocho, aquele beijo dado a torto e a direito nas festas da adolescência, rápido e fugaz. Já o Facebook parece-se mais com os namoricos que tinha nas férias de verão. Compartilha-se de tudo, banalidades, fotos, joguinhos, amigos e até familiares. Mas nada muito intenso nem próprio. O blogue é um pouco mais pessoal, elaborado, independente de ser uma publicação curta ou longa, séria ou cheia de humor, tosca ou poética, é uma duradoura diarreia mental.




(foto de uma t-shirt comprada no Sudoeste do ano passado)

E agora que está terminado o texto e actualizado o moquifo, bora lá devolver o portátil ao filhote que ele tem os amigos do faicebuque à espera!

segunda-feira, junho 27

dicas de um "xicolista inbertebrado"

Partilhar


Terminado que está este pequeno período de férias, com longas pedaladas em ritmo de treino, lentamente abrando a cadência e retomo a pedalada para o trabalho. Sou adepto da bicicleta há muitos anos. Uso as minhas bicicletas todos os dias, vou com elas para todo o lado e elas são o meu veículo de eleição. Distâncias longas ou curtas, vou sempre a pedalar. Moro relativamente perto do gabinete de trabalho, são mais ou menos quatro quilómetros, o que dá uns 15 minutos a pedalar, dependendo apenas da vontade. A questão do trânsito é algo que se consegue vencer com cuidado, conquistando agilidade e ganhando experiência e a resistência física é coisa que só se adquire com a prática. Caótico ou não, o trânsito é igual em todo o lado, o que difere é o arrojo, a paciência, a prudência e determinação de cada ciclista no fluxo rodoviário. Logicamente que em cidades como o Porto e Lisboa a coisa mais complicada é, às vezes, ter de subir, mas com alguns truques na manga e umas mudanças levezinhas, quem pedala por gosto sempre alcança, até a ladeira mais difícil. Caso haja condições, saio com antecedência de casa, a fim de ganhar mais tempo e poder pedalar sem pressas. A questão da transpiração é controlável com o tempo. Uma dica básica para estes dias de Verão é pedalar devagarinho, vestir menos e pedalar à fresca. E encerrado o expediente nada melhor do que voltar para casa por outros caminhos à beira-rio e à beira-mar. Parar para uma bebida refrescante, degustar um gelado e, se der, estender a toalha nas areias quentes da praia, não há nada melhor para espairecer o stress do quotidiano.

Bom, concluindo, se moras perto do trabalho, tens preguiça de ir a pé ou de transportes públicos e vais de carro para o meio do trânsito, pensa antes em ir de bicicleta. Se estiveres com receio, experimenta fazer isso uma vez por semana e vai aumentado a frequência. Há uma boa hipótese de gostares da experiência! O exercício físico faz com que tenhamos um melhor dia de trabalho. Sentes mais o ambiente e aprecias mais as coisas pequenas da vida. Há muito mais contacto humano na bicicleta, mesmo numa cidade dominada pelo carro. E as pessoas correspondem a essa humanização. A bicicleta abre caminhos, tem magia.

Boas pedaladas!

segunda-feira, junho 20

em semana de santos populares

Partilhar



Com o Verão mesmo aí a bater à porta, estamos a chegar ao período de férias, as escolares e as de ócio, mas nunca, como este ano, se falou numas férias tão mirradas. “Só não apertará o cinto quem usar suspensórios!”, ouço esta há tanto tempo! E nem falo de tantos e tantos que vivem uma situação desesperante, sem ocupação nem rendimento. Mas porque a crise não vai de férias, resta-nos umas festinhas de Verão que vamos tendo para alegrar a malta.

n.d.r.: esqueci-me de dizer que como o meu tempo tem sido de férias, ausente do computador do gabinete e mais na bicicleta, este e os últimos dois posts foram agendados. Até breve e um bom São João para todos.

quarta-feira, junho 15

micro - nicles batatóides

Partilhar


A maior ambição do homem é o microfone. Dêem-lhe um microfone e ele falará um qualquer discurso, dirá o que lhe vai na alma, cantará um bailinho da Madeira - e a isso me refiro a dar atenção, abrir os olhos e dar ouvidos, ok, vocês entenderam. Talvez uma estória interessante aqui ou ali, mas de facto, resumindo o texto, haverá um ou outro momento em que sairá uma qualquer asneira. Ah, como o ser humano fala barato. Apontem o microfone à vox populari que o povo opinará absolutamente sobre tudo. Se o assunto for futebol ele chamará a atenção para si. No que toca à política, mesmo que entenda pouco ou quase nada do assunto, fala, fala, fala, e no final não dizem nada. Mas todos têm opinião. Caso goste de discorrer uma conversa da treta então é melhor dedicar-se ao croché pois ele terá uma longa estória para contar. E melhor que a sua. Falar das novela da vida, ui, isso acontece o dia inteiro. Personagens, jargões, cenas divertidas, se não perceber do tema é melhor prestar atenção. Nos primeiros minutos escutamos, ou fingimos bastante bem. Na verdade, vamos juntando argumentos para uma boa desculpa e sair de fininho.

Ou o orador tem o dom de prender audiências ou então está feito. Ele deve ter uma piada preparada para o melhor momento, falar alto, rir mais alto porque o riso contagia, deve dissertar a sua história como a mais interessante do que alguma vez já foi. Até pode ser muito chato mas ele está ali de microfone na mão para chamar atenção. A verdade é que todo mundo tem seu momento de microfone na mão. E não adianta se esconder. Toda a assistência está de olho arregalado e ouvidos bem abertos. “E quem é aquele?!"

Todos temos um momento onde somos ouvintes, mas também tem um momento onde falamos pelos cotovelos. Com a esposa, com os filhos, com os amigos à mesa de jantar. Alguns falam muitas banalidades. Outros possuem um vozeirão e nem necessitam de microfones. Quem tem voz, quer falar, não é mesmo? E que bom seria se todos nós discutíssemos apenas sobre o que entendemos. Se discutíssemos apenas sobre o que entendemos, o mundo teria conversas mais interessantes. Por isso repito, o grande problema do homem é o microfone. E o grande problema, insisto, é que não gosto do microfone. Não tenho dotes oratórios, nem de estar especado no palco. Gosto de ficar na plateia, de ser um entre pares, um tipo simples, humilde e até corajoso, mas quando me dão um microfone para a mão… mas aí fica o silêncio. Tenho vontade é de escrever. Aliás, não sei se deu para perceber, mas isso está a acontecer comigo desde que comecei o texto.


segunda-feira, junho 13

passagem

Partilhar



... Se achares que precisas voltar, volta!
Se perceberes que precisas seguir, segue!
Se estiver tudo errado, começa de novo.
Se estiver tudo certo, continua.
Se sentires saudades, mata-as.
Se perderes um amor, não te percas!
Se o achares, segura-o!"

Fernando Pessoa