sexta-feira, janeiro 21

a encher pneus também serve

Partilhar

Não ter a mínima ideia do que escrever e tentar escrever, é como sair de bicicleta e só resolver aonde ir quando já estiver a caminho. Se bem que sair a pedalar assim é bem mais fácil, pois só se está condicionado à escolha do destino. Numa página em branco, o/a ciclista das palavras não tem esse poder. Ele/a não pode decidir aonde ir. Limita-se a uma combinação de oportunidades que é mais difícil de acontecer se não tiver uma bicicleta para pedalar. É preciso que tenha audácia, aventura, capacidade, dom, prática, inteligência, conhecimento, ânimo e café, todos ao mesmo tempo (pronto, o café pode ser com adoçante ó faxabôre). Se esses atributos não surgirem combinados, então só dá para encher chouriços. Como é muito difícil de surgir aquela combinação do nada, encher chouriços com alguma desenvoltura também vale. E é um excelente trunfo para encher uma página em branco (ou um post). Creio até que a maioria das crónicas geniais que leio por aí saíram de uma página branca de ideias e, naturalmente, saíram do enchimento de chouriços.

n.d.r.: a relação entre página em branco e o acto eleitoral de Domingo é pura coincidência.

Have a nice weekend.

4 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Eu nessas ocasiões prefiro amachucar a página em branco e atirá-la à cabeça da pessoa mais próxima. Olha se eu fizer isso quando estiver no PC...

Abraço e bom FDS!

Rui da Bica disse...

Weekend ... palpita-me que vai ser uma coincidência muito coincidente ! rsrsrs
Autêntica página em branco e como tal, desnecessária.
.

Teté disse...

Pois li uma brilhante crónica de Fernando Veríssimo sobre o terror da página em branco. Que obviamente não ficou, mas sim recheada do humor do escritor! :)

Bom fim de semana, com ou sem votos ou páginas em branco!

Laura disse...

E eu ontem fiz um poema ; uma folha em branco...vá lá , andas a copiar as minhas grandes ideias ahhhhhhh.

Um beijinho e não deixes o voto em branco no Domingo, podes ir de cicla...




laura