quarta-feira, novembro 30

todos temos um pouco de Tom Sawyer!

Partilhar


Ao recordar-nos que passa hoje o 176º aniversário do escritor Mark Twain, o Google fez-me recuar 30 anos. Saltam-me à memória as Aventuras de Tom Sawyer e Huckleberry Finn. Na década de 80 a RTP apresentou a série que melhor descreveu as histórias de Mark Twain. Com dobragem em Português, esta série ficou no imaginário da nossa infância.

Tom Sawyer, publicado originalmente em 1876, é a personificação do rapazinho traquina que cada criança quer ser: livre, aventureiro, moral e inteligente. Ser pirata e descobrir tesouros é o seu sonho. Nascido no coração do Sul, no Missouri, Tom assemelha-se ao seu autor Samuel Clemens (o verdadeiro nome de Mark Twain), quando novo: um rapaz reguila, incapaz de viver na rotina, espirituoso e possuidor um forte sentido do bem e do mal. Tom é órfão, vive com a sua tia Polly e com os seus primos. A coisa que mais detesta é a de ter que ir à escola, de andar de sapatos e ao Domingo ter de ir à missa. Para ele a vida seria sempre uma aventura. Adora ir pescar na companhia do seu melhor amigo Huck e faz tudo para conquistar o coração da sua amada, Becky Tatcher, que também sente um fraquinho por ele. Numa das suas imensas aventuras, os dois amigos dirigem-se ao cemitério e tornam-se involuntariamente testemunhas de um homicídio, quando o índio Joe matou Dr. Robinson. O índio incrimina Muff Potter, seu parceiro como ladrão de sepulturas. Assustados, Tom e Huck, que assistiram a tudo, fazem um pacto de silêncio. Entretanto o corpo do doutor assassinado e a faca sangrenta são descobertos, Potter é apanhado e implorando ajuda a Joe, o Índio deixa que ele seja preso. Tom, movido pela culpa e pelo ressentimento, encontra-se com Huck, remam uma jangada para uma pequena ilha do Mississipi e passam lá a noite. Na manhã seguinte descobrem que as gentes da cidade procuram alguém que se tenha afogado e Tom apercebe-se que é por eles que andam à procura! Levam a farsa adiante, fazendo acreditar que realmente estão mortos. Assistem aos seus próprios funerais e ouvem as coisas maravilhosas que são ditas após a sua aparente morte… e a história continua.

Este encantador conto ressalta a excitação e folia da juventude e, o melhor de tudo, faz-nos lembrar momentos vividos na nossa juventude recheada de curiosidade. Todos temos um pouco de Tom Sawyer!


7 comentários:

ematejoca disse...

Vale a pena ler Mark Twain, a sua obra continua moderna.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A série não vi, mas os livros devorei-os.

redonda disse...

Lembro-me dos desenhos animados e adorei os livros.

Kok disse...

Sei da existência da série mas nunca vi!
Mas li o livro e vi um filme, há muitos anos, no cinema!
Mark Twain foi um dos "meus" escritores da juventude, tal como Emílio Salgari.

1 abraço!

ψ Psimento ψ disse...

Eu também via o desenho animado do Tom Sawyer e adorava :)
Tempos que passam memórias que ficam eheheh :)
Um abraço

Teté disse...

Os desenhos animados não vi, mas lembro-me de uma série televisiva. Mas sobretudo dos livros, que são daqueles que não descansamos enquanto não acabamos... :)

Filoxera disse...

Também recuei 30 anos...
Que boa recordação!
Bom fim de semana!