segunda-feira, março 28

o velho e o menino

Partilhar

Antes ele era um menino, falava como um menino, sonhava como um menino. Fez-se homem, pensou como um homem, trabalhou como um homem. A vida ensinou-lhe o que mais ninguém poderia ensinar. Aprendeu com os próprios erros e, com tantos, aprendeu a não comete-los de novo. Sempre viveu pobre, não teve berço e o amor de mãe foi-lhe negado à nascença. Nunca teve um grande amigo que o aconselhasse mas foi de confiança que a escola da vida lhe foi ensinando. Acima de tudo aprendeu o amor, não o amor próprio, mas o amor para com os outros. Muito se honra de ser pobre e a humildade é o mais importante que tem. Um sentimento orgulhoso, dirão, mas o que hoje vive na realidade não o faz esquecer a emoção sentida quando da primeira garfada num prato de comida. As mãos deslizam suaves pelo cabelo do seu bisneto. - Agora encontro-me feliz, diz-lhe. Consegui chegar até aqui e mantive vivo o menino que tenho dentro de mim. Agora ele faz-me companhia nas horas tristes. Deixa-me a sorrir com as suas brincadeiras e histórias do faz-de-conta. Eu sei que é apenas uma ilusão mas prepara-te, primeiro para ser alguém e depois chegará o dia em que irás entender estas minhas palavras, e nesse dia voarás tão alto que todos aqueles que me julgaram e que me humilharam, dizendo que eu não era nada, sentiram que o destino já estaria traçado, coube a mim simplesmente adia-lo.


5 comentários:

Laura disse...

Olá moço lindo!

Só quando chegarmos lá saberemos entender o que pensam, o que sonham e como vivem os seus dias...

Mas nem todos sabem ter a doçura dessas palavras... a vida também os transforma noutras pessoas.


Um beijinho da laura

Rafeiro Perfumado disse...

Acho que a parte do "fez-se homem" deveria ser mais pormenorizada...

Teté disse...

Somos todos jovens, enquanto esse menino/a existir dentro de nós. Essa de avaliar as pessoas pelo que têm ou pela profissão que exercem é muito falível. Aliás, esse senhor devia dar lições a alguns que vivem cá na nossa praça, cheios de orgulho em si próprios, quando na realidade são de uma mesquinhez confrangedora... :P

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Vivemos numa sociedade onde mais vale "parecê-lo" do que "Sê-lo" e esta história ilustra bem isso.

Kok disse...

Foi uma vida de esperança, de acreditar num futuro que finalmente viu chegar no bisneto.
Coisas de velhos... e por isso sábias.
Eu acho!

1 abraço pah!