quinta-feira, janeiro 21

na minha opinião

Partilhar



Muitas pessoas que foram instruídas dentro de numa religião acreditam que o que é certo e o que é errado lhes foi doutrinado pelos livros sagrados das religiões que seguem. Há gente boa e gente maldosa, tanto nas religiões como fora delas, e todos nós sabemos, sem ser necessário que alguma religião nos explique, o que é certo e o que está errado. Basta que pensemos conscientemente pela nossa cabeça e abertamente, sem dogmas nem preconceitosos, discutirmos os temas.
Ao longo da história as religiões evoluíram muito pouco, não acompanharam as evoluções sociais e continuam baseadas em culturas e textos arcaicos, que viam o casamento apenas como um meio para a procriação. Se a Igreja proíbe o casamento homossexual também tem de proibir outras coisas que estão escritas nos textos sagrados e que não são aceitáveis, como o direito do marido dispor sobre a vida da mulher.
Compete ao Estado regular o casamento civil e deve fazê-lo, independentemente das religiões.

14 comentários:

Sandra. disse...

:))

casamento civil e não religioso, já decidiram, ponto final paragrafo né? Iniciamos então uma nova era de gajos com gajos e gajas com gajas.

Só há uma cena q me intriga, se esta classe, os homossexuais, lutaram tanto pela diferença, porque será q agora se lembraram de ser iguais??

Epah paulo, tou ma lixar pós homossexuais e pó resto, num tou nem aí, pois evito pensar ao máximo nisso pq me repugna, mas a vidinha é de cada um portanto q façam o q querem :))) keu cá num tenho nadinha memo q ver c o assunto, desde q num mincomodem craro com bixices aberrantes :)

xinhinhuuuuuuus pa tu vizinho

nb - O estado manda na igreja?? Pode controlar o casamento civil, mas o religioso...naum.

Patti disse...

Como dizes algumas religiões evoluíram muito pouco, daí o facto de virem a perder fiéis com o avançar dos anos. O que me espanta é que as religiões mais radicais, os ganhem cada vez mais.

Vani disse...

Sandra, porque são diferentes. E são iguais. Porque, por serem diferentes da maioria, não deixam de ter direito ao mesmo que a maioria. As mulheres, lutaram tanto pela igualdade, porque é que agora se lembraram de ser diferentes?... :-p

Sandra. disse...

:))

Eu não lutei por igualdade nenhuma nem luto Vani, simplesmente pq nunka me senti inferior ao "bixu" (lolol) homem. Sempre axei/pensei q essas lutas n eram para mim :)) Até te digo q n axo mui normal se lutar por um lugar q a mulher sempre teve, salvo algumas excepções craro, mas é só a minha opinião, aquilo q penso. As excepções fizeram a regra, eu não compactuo, simplesmente lamento, afinal cada um sabe de si, são adultos q se entendam, mas n me metam nesse filme pq eu tou out.

Diferentes são mesmo, só n percebe isso qm n ker né, e eles devem ter bem noção dessa diferença, mas conseguiram o q pretendiam e o assunto ficou arrumado né? Q sejam todos mui felizes :))

xinhinhus vani

FM disse...

Não deveriam antes, digo eu, preocuparem-se com a pedofilia "indoor" que as esmolas vão pagando todos os dias? Isto para não falar da homossexualidade que existe dentro da própria igreja. Ou será que é só pedofilia? Pois, e vou esquecer os "filhos incógnitos" que nascem em tantas "paróquias".
ão sou contra o casamento Gay, Transsexual ou outro qualquer. Mas acho que é "contra-natura" a adopção de crianças por pais do mesmo sexo.
Abraço.

Si disse...

Concordo com o que a Patti aqui disse e acrescento: o problema das religiões não estará tanto no que está escrito, mas naquilo que se interpreta daquilo que está escrito e dos argumentos usados para convencerem os outros da correcção da sua interpretação.
E isto talvez explique o aumento do radicalismo religioso, que, apoiado exclusivamente em objectivos de poder, tem uma maneira muito própria de usar esses argumentos no inflamar de consciências.
Por isso, caro Paulo, Estado e Religião deverão estar separados em todos os aspectos, ainda que esta afirmação seja uma completa utopia.

BlueVelvet disse...

Como diz a Si, o problema não é o que está escrito, mas a forma como é interpretado.
Veludinhos

ψ Psimento ψ disse...

Ora aqui está tudo bem explicado de uma maneira muito simples. “Cada macaco no seu galho” como se costuma dizer. Os homossexuais não implicam com os afazeres religiosos da igreja assim como esta não deveria entrevir na vida civil e pessoal dos homossexuais e de qualquer pessoa no geral. Continuado a comentar com base apenas na minha opinião, vejo que felizmente na minha geração e nas que me seguem cada vez menos se vê a religião como significativa e em breve os seguidores desta religião em particular serão a minoria até porque neste momento são pouco mais que uma tradição…
Não sou anti-religião, acredito que as mitologias sempre estiveram presentes para dar esperança às pessoas e ajuda-las a ser mais fortes. Comigo nunca funcionou mas óptimo para quem funciona agora só espero que tentem manter-se na sua vida sem importunar os outros.
Também concordo com o FM. A igreja devia passar mais tempo a analisar-se a si próprio.
Sandra claro que as opiniões são para ser ditas agora evite por favor ofender as pessoas com termos diminuidores. Eu não o faço mais ninguém aqui o fez e acho que opiniões à parte há que haver sempre respeito pelos outros, é senso comum... E sim, somos todos diferentes uns dos outros e não acho que seja a orientação sexual o principal marco de diferença…
Abraços.

Sandra. disse...

:))

Olá psimento, por favor diz me onde ofendi alguem com termos diminuidores pq eu por mais q me leia n consigo atingir onde o fiz.

Simplesmente dei a minha opinião, q como dizes somos livres de a dar.

Há só mais uma coisa q gostaria de dizer aproveitando a deixa, interpretar a intenção c q os outros escrevem n é fácil, para q isso possa acontecer deveremos no minimo ter um pouco de conhecimento em relação à pessoa q escreve ou então um pouco de prática.

Nunka ofendi ninguem e pretendo continuar assim, se me sentir ofendida retiro-me de pantufas para n fazer barulho, apesar de só me ofender qm eu permito e n pretendo dizer c isto q me senti ofendida aqui, de forma alguma, mas tb n é bom de todo nos acusarem de ofender.

Mais uma vez e o mais educadamente q consigo te peço q me mostres onde ofendi alguem.

Grata

Sandra.

ψ Psimento ψ disse...

Sandra como tu bem dizes, interpretar a forma como se dizem as coisas é por vezes difícil e não digo que o erro de interpretação não seja meu e obviamente que já me disseram coisas piores, mas particularmente achei a expressão “bixices aberrantes” um pouco forte, na minha opinião que é provavelmente demasiado sensível eheh…
Quanto à parte que dizes: “num tou nem aí, pois evito pensar ao máximo nisso pq me repugna” confesso que não compreendi o que querias dizer…
De qualquer modo também não acho que seja tema para se debater aqui…
Os melhores cumprimentos.

Sandra. disse...

:))

Mas n entendas assim psimento, é a minha forma de falar/escrever q por vezes faz com q quem n me conhece me interprete mal :) c as palavras "bixices aberrantes" só me queria referir a posturas masculinas carregadas em demasia de atitudes femininas, se é q me entendes, senão dou-te um exemplo do que n suporto: José Castelo Branco. E n tenho nada contra ele, nem por sombras, simplesmente odeio a forma como ele se mostra, exagerando o mais possivel naquela paranóia dele, cena q nem uma mulher faz, aliás, eu nunca vi nenhuma mulher assim.ABERRANTE! Mas como ele há mais...uiiiiiiiiii!!

Mais uma vez te digo q a minha intenção n foi ofender e sim "brincar" com o assunto.

O q pretendi dizer com o repugna-me, foi neste caso em relação ao vídeo q o Paulo colocou, epah dá me uma volta ao estômago ver cenas intimas entre duas pessoas do mesmo sexo, q nem te passa. Como n gosto, n vejo né?? pois é isso q faço :) neste caso o paulo pediu para ver até ao fim e eu obedeci. N tenho culpa de ser sensível negativamente em relação a isso né?

Fika bem psimento

xinhinhus

Teté disse...

Cá por mim, devo andar esclerosada: li o texto e não comentei? Enfim, se calhar meteu-se outra coisa pelo meio e passou-me!

Os textos sagrados estão cheios de violência, incestos, traições e até homicídios, nisso o Saramago tem razão. Mas claro que as pessoas sabem distinguir o Bem do Mal. Quer dizer, infelizmente há bastantes que têm duas bitolas: uma para o comportamento dos outros, mais rígida e severa; outra para o próprio, mais permissiva...

Felizmente o estado é laico, não tem de se submeter às regras da Igreja no que toca ao capítulo casamento. Esta sim, fez um bicho de sete cabeças, por causa de meia dúzia de gays que pretendem ter o direito a casar... (o que é diferente de quererem casar...) :)))

Beijocas!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ora nem mais, Paulo!

Gi disse...

Tudo é tão elástico, depende de quem o manobra.