quarta-feira, junho 17

cinza

Partilhar

Entre brumas a manhã surge acordada e de cara lavada. Sinto-a, plena de sombras, frescura e vida, numa ténue brisa de mudança, aquela que talvez um dia me fará regressar ao ponto de partida, qual D. Sebastião. Há momentos assim em que um corpo meio fraco fica mais activo. Há valores dos quais nunca deveremos abdicar, porque seguir o rumo de cabeça erguida e olhar nos olhos não é para qualquer um! O tempo tudo vê, tudo escuta, tudo revela... Como uma manhã de nevoeiro!

8 comentários:

Gi disse...

E muito nevoeiro tens tu por aí, carago!
Aqui faz sol bem forte desde antes das 6 da matina.

mjf disse...

Olá!
O " Sebastianismo" é uma desculpa para a inercia dos Portugueses...sempre á espera que alguem faça ....todos menos nós:=((

beijocas

Sandra. disse...

:))

mesmo cinzas as nossas manhãs nubladissimas são lindas né?? e xeirosas :)) e tudo e tudo :)

xinhinhus bizinho mais bizinho có q julgas

Paula Crespo disse...

Gostei dessa do Tempo. É verdade: é a sua característica intrinsecamente depurante.
Bjs

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ena, cum canudo! Atão o nosso Porto já se está a preparar para as orvalhadas sanjoaninas?

Tó (Mano) disse...

Nevoeiro até ao Pombal, na minha viagem matinal até Marrocos...e que calor faz neste deserto!!!!

Abç

Teté disse...

Belíssima fotografia!

O D. Sebastião, coitado, é que já deve estar um bocado passado, 431 anos após o seu "desaparecimento"... :D

(aliás, até concordo com a MJF, além que não tive dúvidas em votar nele como o pior português de sempre, que o fulano era assim um bocado a dar para o toleirão apatetado...)

Beijocas! :)

Patti disse...

Eu adoro manhãs de verão assim, fazem-me lembrar as férias de infância na Ericeira e Santa Cruz.