terça-feira, novembro 4

finalmente

Partilhar

Não poderei estar indiferente às eleições presidenciais americanas. Num país que se diz "democrático", onde apenas existem dois partidos políticos, claramente conservador, população extremamente consumista e na maioria ignorante, decide hoje qual dos candidatos irá ocupar a sala oval da Casa Branca. Quer queiramos quer não, serão eles a escolher quem influenciará a política mundial. Eu vou “votar” Barack Obama, ou melhor gostaria de votar. O que está em causa é muito mais do que uma simples eleição de um presidente num país qualquer, é muito mais do que isso, e como tal deveríamos, nós a população mundial, ter também uma palavra a dizer. Penso que a vitória de Obama traria uma postura mais democrática, mais séria nas relações exteriores e nos conflitos mundiais, principalmente na diminuição da preponderância militar americana nos conflitos actuais e fazer da diplomacia a arma primordial na procura de soluções. A eleição do primeiro presidente negro poderia também trazer mais equilíbrios culturais e sociais à população norte-americana, uma maior integração, conhecimento e respeito entre classes, entre a população dominante e as minorias negra, hispânica e muçulmana, sem muita representação política. Também nutro alguma simpatia por John McCain, possuidor de uma larga experiência de vida, tanto militar como política. As suas propostas para a solução da grave crise económica americana são importantes e demarca-se claramente das políticas da administração anterior. Obama ou McCain? Não importa quem seja o eleito, o que realmente é de enaltecer é que se ponha termo ao desastre verificado nestes últimos 8 anos. A partir de hoje, seja qual for o escolhido, uma coisa é certa, Bush passará à história como o pior presidente que a América alguma vez teve e de uma vez por todas o mundo vê-se livre dele. É hoje, finalmente!




5 comentários:

FM disse...

Eu "voto" Obama.
Abraço.

Patti disse...

A melhor notícia é que Bush finalmente vai-se embora.
Agora entre Obama e McCain...será mais do mesmo.
Esta excitação toda começou por Obama ser negro. Assim como a excitação existiria se o outro candidato fosse uma mulher. Os americanos gostam destas feiras. Gostam de mostrar ao mundo aquilo que não são. Eles são racistas e sexistas.
Não vi nada em Obama que seja diferente, inovador ou revolucionário. Parece-me um produto de Hollywood, feito à pressa.
Terá de provar muito ainda.

Paula Crespo disse...

Sim, Obama, claro. Também votaria nele, se pudesse. Mas penso que a haver mudanças, elas vão ser mais a nível interno do que a nível de política externa, talvez. Mas o futuro nos dirá.

mariam disse...

Obama, sim! ... está quase! tenho estado com a TSF online.
...não será nenhum superH , mas trás alguma esperança na mudança p'ra melhor, esperemos! ... os reflexos cedo aqui chegarão...

bom resto de semana
um abraço e um :)
mariam

Pedro Barata disse...

Vitória histórica de Obama. Agora vemos esperar para ver as mudanças...

Abraço