quarta-feira, maio 4

ciclovia da Prelada

Partilhar

Foram precisos mais de 20 anos para que o viaduto da Prelada sob a VCI ganhasse serventia. Para lhe dar acesso, foi construída uma ampla alameda com duas faixas de rodagem, espaços de estacionamento em cada lado, passeios arborizados e uma excelente ciclovia. Mesmo assim a obra teve um significativo atraso. A ideia era estender a Alameda até à Estrada da Circunvalação mas segundo a Câmara do Porto, questões burocráticas de expropriações, a norte e a poente, e pareceres do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) adiaram o prolongamento da via.

(1ª fase)

A primeira fase ficou concluída há cerca de 2 anos. São 550 metros de asfalto, passeios e ciclovia que rasga terrenos da antiga Quinta de Nasoni e que adornam as vistas com o verdejante e rural Parque da Prelada, desde a Rua de Teodoro de Sousa e a Travessa da Prelada até às Rua de Maria de Lamas e de Doutor Cruz Malpique, que veio a completar a rede viária na envolvente da urbanização Cidade Cooperativa da Prelada (CCP), dotando a área de uma ligação rápida entre os dois lados da Via de Cintura Interna, encurtando distâncias e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de milhares de pessoas que habitam a zona da Prelada.

(2ª fase)

Recentemente foi iniciada a obra da segunda fase do projecto de continuação da Alameda até à Estrada da Circunvalação, a qual está quase concluída. Sei que está para breve, talvez no próximo final de semana, a abertura oficial da nova artéria que contribuirá muito para a melhoria das acessibilidades. Ao todo terá uma extensão de 1,2 km e será uma importante alternativa para a entrada e saída da cidade. Vai concluir as obras de ligação ao Viaduto da Prelada, constituir uma alternativa rodoviária à Rua Central de Francos e dotar aquela zona de alguns equipamentos públicos, em colaboração com a Misericórdia do Porto. que ali tem o Hospital e o parque.

Há dias pedalei pelo novo trajecto (podem ver aqui o mapa). No seu ínicio há que dar bem ao pedal para escalar o declive do viaduto e depois ganha-se ambalo até à Rua de Requesende. As vistas para o verdejante do Parque da Prelada arregalam o ímpeto. Segue pela direita e é de facto uma verdadeira pista dedicada às bicicletas, patins e afins, a não ser que os passeantes ocupem o tapete vermelho. No cruzamento a ciclovia "vira a casaca", cruva as duas vias e passa para a banda esquerda da Alameda, ocupando o antigo Caminho das Congostas. Mais à frente, a ciclovia é "cortada" por um vindouros arruamento até desembocar na Estrada Interior da Circunvalação (na imagem seguinte).


Deixo registada aqui a esperança de um dia vir ainda a testemunhar uma requalificação, digna desse nome, para uma via estruturante para a Área Metropolitana, como é a Estrada da Circunvalação, e a construção de várias ciclovias de ligação, assim como a continuação da ciclovia da Prelada para sul, até à Boavista. Por outro lado reconheço que os moradores da CCP perderão algum sossego e ordem com a futura acessibilidade mas certamente trará uma melhoria substancial para a mobilidade da cidade e para a qualidade de vida dos residentes.

(publicado também nabicicleta.wordpress.com)

5 comentários:

Kok disse...

Esse tipo de requalificações mal qualificadas é praticamente norma em Lisboa; por isso já nem estranhamos...

1 abraço pah, e 1 desejo:
que o Rio corra a favor dos ciclistas!

paulofski disse...

Até que em está assim tão mal Kok, apenas esperava a coisa feita de uma outra maneira. É um caso para dizer que quem espera sempre alcança.

Olha que não, este Rio corre mais a favor dos automobilistas. Ele mais não fez do que cumprir o projecto.

Abraço

ψ Psimento ψ disse...

Eu também gostava, agora no Verão quero ir de Bicla para a praia mas não sei se a tua esperança se realizará!!! Abraços.

Teté disse...

Pois, aqui também temos obras dessas de Santa Engrácia, que nunca se sabe quando acabam e entretanto a cidade parece um imenso estaleiro. Enfim, as politiquices do costume... :P

Rui da Bica disse...

Finalmente parece que começou a haver consci~encia de que as ciclovias sou uma necessidade premente, por todos os motivos !
Ainda bem e mais valçe tarde, que nunca !
Conheço bem o local, porque tenho um filho a residir no "espaço2 da antiga estamparia império, no lado sul do viaduto da VCI.