sábado, janeiro 1

de passagem

Partilhar

Com a insignificante excepção dos anos bissextos, todos os anos duram o mesmo tempo? Relativamente, sim. Mesmo que no final de cada ano achemos que esse "sim" foi um ano que passou rápido? Tecnicamente, a resposta é não. De cada pessoa com quem falo, de algumas conversas que ouço na paragem do autocarro ou nas mesas do café, o que mais se diz por aí é que o ano passou devagar. Ora, eu tenho a ideia que um ano parece durar mais ou menos do que outro, ou porque um gajo andou entretido, ou então por que o viveu de uma forma aborrecida, entediado a fazer contas à vida. Um minuto, um segundo, pode durar mais do que outro, pode ser mais bem aproveitado se for vivido de uma forma intensa e apaixonada. É verdade que isso não passa de uma teoria, mas para mim 2010 passou a voar. Aliás, todos somados, fica aquela sensação que, porventura, os anos passam sempre depressa demais. De que o tempo corre quanto mais velho se vai ficando. Parece acelerar e ganhar balanço à medida que avança. O que é deprimente quando se sabe o que nos espera no fim da linha. Então, para variar, mais vale aproveitar os segundos todos que temos pela frente e acelerar ou diminuir a cadência para aproveitarmos a viagem, porque senão a vida é uma monotonia. Oh meu filho, nós estamos só de passagem, já dizia a minha avó.


Na passagem d'ano:

- Oh pá, boas entradas.
- Ahhh, obrigado… Mas olha que ainda não perdi muito cabelo!



3 comentários:

Rui da Bica disse...

Eu tenho uma “teoria” ! :))
Um ano demora 100% da vida dum indivíduo quando ele tem 1 ano !
Demora somente 10% da sua vida quando tem 10 anos !
Demora uns míseros 2% da sua vida quando ele tem 50 anos !
... E apenas 1% quando tem 100 anos ! :))

Dai demorar cada vez “menos” embora demore o mesmo, à medida que vamnos envelhecendo ! rsrsrs

BlueVelvet disse...

Tens toda a razão. É verdade que à medida que envelhecemos o tempo parece passar mais depressa, mas não é menos verdade que os momentos maus parece que duram mais que os bons mesmo que demorem exactamente o mesmo tempo.
Veludinhos

Teté disse...

É verdade, os anos passam cada vez mais depressa à medida que vamos envelhecendo, excepto os maus momentos... que parecem durar uma eternidade!

Tenho para mim que a percepção do tempo também é coisa que varia de pessoa para pessoa, há quem o sincronize ao minuto e outros que deixam andar sem ligar a relógios... ;)

Mas o importante mesmo é aproveitar bem o tempo, em nosso proveito e em de todos os que amamos! Para que a passagem seja mais aprazível... ;)