domingo, outubro 31

máquina do tempo

Partilhar

É costume dizer-se que depois da tempestade vem a bonança. Pois é, quem já não ouviu isso. Vivemos em constante mudança, em permanente evolução, tempos alucinantes em que tudo acontece de forma rápida e vertiginosa, sem espaço para compreender e aproveitar verdadeiramente aquilo que se passa à nossa volta. O tempo não nos dá tempo, torna-nos escravos de rotinas, do que queremos e não queremos. Que tempo fará amanhã? Hoje vou recuar no tempo! Vou matar o tempo! Mas que tempos estes, modernos, de círculos viciosos e virtuosos, que teimosamente resolvemos controlar, mudar sem recomeçar! Ponteiros invisíveis que a vida não nos deixa acertar.



7 comentários:

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

Diga lá, ó faxabôre...

gradecido

Hoje presente, alguém pensa poder ir ao passado) recuar no tempo.

Vou matar o tempo! desejo de auto-aniquilação

Mas que tempos estes, modernos,
nostalgia próprias de pessoas de idade


de círculos viciosos e virtuosos, que teimosamente resolvemos controlar, mudar sem recomeçar! Ponteiros invisíveis que a vida não nos deixa acertar.

jogos lúdicos com símbolos e simbologias banais

e ....

paulofski disse...

e... whatever xôr رجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن
De louco todos temos um pouco.

Teté disse...

tem piada, ontem também recuei no tempo... :)))

paulofski disse...

Também eu Teté, e ainda não acertei os ponteiros! :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Quando o relógio atrasa, entra o Inverno dentro de mim. No entanto, este ano, tenho a sensação que o relógio não atrasou apenas uma hora. Atrasou vários anos, graças a um OE que nos irá fazer recuar ao tempode grandes dificuldades.
E nem o adinatar da hora daqui a seis meses me devolve a esperança...

paulofski disse...

Sabe Carlos, acho que de tanto darmos à corda, esse relógio estará permanentemente desregulado.

Kok disse...

Detesto esta "hora de inverno".
Detesto sair do trabalho (já) de noite.
Eu devia era trabalhar no equador sem mudanças de temperatura e sem mudanças de horários.
Dirás: seria uma monotonia!
Talvez. Mas deixaria tempo para outras coisas...

Akele abraço pah!