terça-feira, fevereiro 16

mãos à obra

Partilhar


Pacatamente entretido com o meu dia-a-dia no gabinete, recebi ontem de manhã uma chamada normal no meu telemóvel. Diz filho. Oh pai, o chão da cozinha está todo levantado! Hããã… levantado! Como assim? Levantado! A tijoleira saltou do sítio e está toda levantada como se fossem tendinhas. Ah não te preocupes, devem ser duas ou quatro, eu depois trato disso. Mas ó pai, é na cozinha toda!...

Afinal não era mesmo uma partidinha de carnaval. Eu não queria acreditar no que via à minha frente. O soalho da cozinha estava quase todo arrancado do chão, como se uma toupeira tivesse passado por ali ou a cozinha simplesmente tivesse encolhido. E agora? Ainda atónito, tentei encontrar alguma explicação. Retirei algumas tijoleiras mas o cimento estava seco. Humidade não é! E se for o gás!!! Ufa… só acalmei quando o técnico me garantiu que não havia nenhum tipo de fuga. Inspeccionei todos os cantinhos da casa por mais sinais, mas nada. Tudo normal. Não tenho conhecimento de grandes obras no prédio nem notícias de sismos na zona. Que raio, mas que estranho fenómeno fez isto!? Tenho o apartamento há tantos anos e nunca antes tinha tido problemas assim. Nem de propósito, a minha vizinha da frente conhece outro vizinho que conhece um empreiteiro, que me esclarece: Ahhh… isso é bastante normal, não sabia? Eu, eu não! E nem precisa de ser uma construção velha ou nova, acontece. Acontece!!! Como assim? Pois podia ter sido noutro qualquer local do prédio. Olhe, calhou-lhe a si, foi o que foi! Sabe, às vezes acontece quando existe uma variação térmica bastante grande num curto espaço de tempo, e provavelmente as juntas das tijoleiras não tinham espaço como são pequenas, blá blá blá… Nessa altura eu nem o ouvia mais porque já só revia algumas imagens do filme “Um dia a casa vem abaixo” passarem-me à frente dos olhos! Aos poucos despertei para a realidade cada vez mais adiada que a minha casa clama pela minha atenção e urgentemente por umas obritas.

Agora é mãos à obra, cimentos, orçamentos, aborrecimentos. Sem meias tintas, deixarei o gabinete encerrado a ganhar mofo e teias de aranha por uns dias e farei as minhas visitinhas aos vossos cantinhos.



Pedimos desculpa pelos incómodos causados. Seremos breves.


8 comentários:

Teté disse...

Confesso que estou solidária, nunca gostaria que nada disso acontecesse na minha cozinha... :((

Bom trabalho para ti e para todos os que te possam ajudar de caminho!

Beijocas e fica nem! :)

FM disse...

Phonix!
Eu até te ajudava, mas sou um péssimo mestre de obras... na parte da execução.
Abraço e BOm Trabalho.

Kok disse...

Azar do caraças pah!
Mas isso é uma situação, um acontecimento que eu desconhecia por completo.
Serem as juntas "ajuntarem-se" provocando um levantamento de mosaicos...
Ok,de tijoleiras!
Já fiz vistoria cá no galinheiro, mas está tudo bem!

Agora que a coisa foi resolvida, não quero deixar de agradecer as tuas visitas durante a "suspensão".
Akele abraço, pah!

Patti disse...

Que grande chatice!

Mas olha, não te esqueças de accionar/consultar/chatear o seguro da casa (eles cobrem muitas vezes estas gaitas)!

Gi disse...

É mesmo um bico-de-obra.
Vai lá pondo mãos à obra enquanto eu ponho as mãos na massa do meu blogue, para ver ser ele leveda.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Grande galo! Não podia ter acontecido antes ao vizinho do lado, que eu não conheço de parte nenhuma?
Como diz a Patti, o seguro às vezes dá uma ajuda. Aconteceu há meses na minha casa do Porto, embora a causa fosse bem diferente: uma distracção da empregada que deixou cair no chão o que não devia. O seguro pagou tudo
Boa sorte e rápido regresso.

Laura disse...

Olá, o meu apartamento já teve disso, como é que dizem; de Inverno alguns azulejos ou tacos, com o frio, incham (ouviste? incham, e depois de verão, desincham e entran na forma do sapato, ou seja, ficam no lugar, mas até lá, é o entras, muita chatice para obras, muito euros ao ar, uma desgraça..Um abraço da laura e boas obras...

Filoxera disse...

É mesmo bom que sejam breves. Obras em casa não é nada que se deseje por muito tempo.
:-)